Fonologia do espanhol medieval: evolução das consoantes sibilantes desde o século XIV

Davidson Martins Viana Alves

Resumo


Este trabalho versa sobre a evolução fonética das sibilantes do espanhol como língua materna nos séculos XIV, XV, XVI e XVII. Baseando-se em pressupostos historiográficos e dialetológicos presentes em Alonso (1953), Menéndez Pidal (1958), Alarcos (1965) e Alvar (1999), faz-se um percurso histórico das sibilantes espanholas, observando os valores fonético-fonológicos das consoantes fricativas [s] e [θ], que caracterizam os fenômenos linguísticos seseo, ceceo e distinção, se em posição silábica inicial (ataque / onset) e heheo, se em posição silábica final (coda). O reajuste das consoantes espanholas, que ocorreu entre os séculos supracitados, foi um processo de evolução fonético-fonológica particular à língua espanhola, que deu origem ao sistema consonântico atual. Em séculos anteriores, já eram perceptíveis, particularmente no quadro das sibilantes, notáveis mudanças fonético-fonológicas, motivadas por elementos extralinguísticos, como fatores socioeconômicos e histórico-geográficos, como a presença híbrida de etnias e culturas diversas (presença islâmica, judaica e cigana), sobretudo em Andaluzia. Assim, tomando como referencial teórico a teoria da difusão lexical de Cheng & Wang (1977) e Wang (1990), em que se estabelece que a mudança sonora afeta o léxico gradualmente, atingindo algumas palavras e outras não; podendo, ou não chegar num estágio em que todo o léxico é atingido, aponta-se que o sistema consonântico espanhol moderno é consolidado no século XVII, após um longo processo de delimitação dessas mudanças sonoras.


Palavras-chave


espanhol medieval; consoantes sibilantes; evolução fonética

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCOS, E. Fonología Española. 4ª ed. Madrid: Gredos. Biblioteca Románica Hispánica. Manuales, 1, 1965.

ALONSO, A. Estudios Linguísticos: Temas Hispanoamericanos. Madrid: Biblioteca Romanica Hispanica. Editorial Gredos, 1953. p. 102-150.

ALVAR, M. Manual de Dialectología Hispánica: el Español de España. Barcelona: Ariel, 1999.

CHENG, C.; WANG, W. Tone change in Chao-zhou chinese: a study in Lexical Diffusion. In: WANG, W. (org.). The lexicon in phonological change. The Hague: Mouton, 1997. p. 86-100

CRYSTAL, D. Dicionário de linguística e fonética. Tradução e adaptação da 2ª Ed. inglesa rev. e ampliada, publicada em 1985 por Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editorial, 2008.

LAPESA, R. Sobre el ceceo y el seseo en Hispanoamérica. Revista Iberoamericana. Vol. XXI, Núms. 41-42, p. 409-416, Enero-Diciembre ,1956.

MENÉNDEZ PIDAL, R. Manual de Gramática Histórica Española. 10ª. ed. Madrid: Editorial Espasa-Calpe, 1958. p. 95-199.

NAVARRO TOMÁS, T.; ESPINOSA, A. M.; R-CASTELLANO, L. La frontera del andaluz. Revista de Filología Española, 20, p. 225–277, 1933.

SCHERRE, Mª. M. P. Pesquisa e ensino: modelos de análise em debate – o modelo variacionista. In: BRANDÃO, S. & OLIVEIRA, M. T. (orgs.). Pesquisa e ensino da língua: contribuições da Sociolinguística. Anais do II Simpósio Nacional do GT de Sociolinguística da ANPOLL. Rio de Janeiro: Timing Editora/UFRJ/CNPq, p. 73-78, 1996.

WANG, W. Lexical Diffusion in a populational perspective. Language, 81 (1): 16-35, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.