Construção e mobilização do imaginário normando na Historia Anglorum de Henry de Huntingdon (c. 1139)

Paulo Christian Martins Marques da Cruz

Resumo


Diante do novo leque de possibilidades trazido pela linha da nova história cultural, as questões relativas às relações entre imaginário e política têm sido propostas para temas estritamente ligados a outras dimensões historiográficas, como a história militar. Diante dessa constatação nos propomos a trabalhar com a Conquista Normanda da Inglaterra e a Batalha de Hastings, clímax desse processo, e igualmente com os principais agentes sociais que colaboraram para a construção desse evento enquanto notório objeto historiográfico.  Assim, objetivamos a partir dos escritos de Henry de Huntingdon, importante historiador inglês do século XII, observar como este colaborou para a construção e mobilização de um imaginário entorno do povo normando a partir da seleção de determinados temas em sua Historia Anglorum (c.1139). Acreditamos que a escolha de determinados temas sensíveis em momentos de tamanha como a Batalha e a Conquista, podem representar evidências meritórias sobre formas de pensar do período, como as estratégias adotadas a fim de que o poder régio normando fosse legitimado e, finalmente, de que o povo normando, em vias de desaparecimento no século XII, tivesse sua identidade demarcada.

Palavras-chave


Henry de Huntingdon, Historia Anglorum

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.